Ouça agora na Rádio

N Notícia

Presidente do Parlamento da Venezuela se manifesta contra um golpe de Estado

FOTO: © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

Presidente do Parlamento da Venezuela se manifesta contra um golpe de Estado

O presidente da Assembleia Nacional (parlamento unicameral da Venezuela), Juan Guaidó, garantiu que a casa não solicitou um golpe de Estado aos militares, mas pediu união para "recuperar a ordem constitucional".

Informações compartilhadas Sputnik Brasil

"Nós não estamos pedindo para você se rebelar, muito menos fazendo um chamado à rebelião. Estamos convidando você para nos ajudar a recuperar a ordem constitucional e a democracia (…) não estamos pedindo a você para dar um golpe, nós não estamos pedindo para que dispare", disse Guaidó em um vídeo transmitido pelas emissoras nacionais.

Guaidó fez um apelo aos militares venezuelanas depois que um grupo de oficiais uniformizados assumiu o comando da Guarda Nacional Bolivariana (componente das Forças Armadas Nacionais) no oeste de Caracas, na madrugada de 21 de janeiro.

O presidente do parlamento disse que os militares que se juntam à "defesa da democracia" serão protegidos pela Lei de Anistia aprovada pelo Legislativo em 15 de janeiro.

"As forças democráticas eleitas pelo povo do parlamento estão oferecendo anistia e paz com uma lei que protege quem quer que defenda nossa democracia", disse ele.

Mais cedo, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) reiterou a nulidade de qualquer ação por parte da Assembleia Nacional, que tem uma maioria de oposição, e observou que desde janeiro de 2017, este órgão não tem conselho de administração válido.

Além disso, o STJ declarou a nulidade dos decretos aprovados pelo parlamento, nos quais foi declarada a contestação do cargo do presidente Nicolás Maduro.

Ao mesmo tempo, o Ministério da Defesa da Venezuela divulgou uma declaração afirmando que os militares em Caracas foram capturados e que suas armas foram apreendidas.

Por sua vez, o presidente da Assembléia Nacional Constituinte, Diosdado Cabello, informou que 27 soldados foram presos ao tentaram assumir o controle de uma unidade militar.

FONTE: Sputnik Brasil
Link Notícia

Leia também