Ouça agora na Rádio

Ouça agora

SBPC: Brasil tem estrutura e conhecimento para enfrentar pandemias

Imagem Noticia

© Antonio Cruz/Agência Brasil

Compartilhe agora

Postado em 28/07/2022 por Sistema Plug

A possibilidade de uma nova pandemia, ou mesmo de uma nova onda de covid-19, preocupa a todos: população, autoridades e especialistas. A fim de saber se o país está preparado para uma outra pandemia, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) teve nesta quarta-feira (27), como conferencista na 74ª reunião anual, em Brasília, o professor e epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas (RS).

Segundo o especialista, em termos de infraestrutura e de produção de conhecimento, o país está, sim, preparado. Ele, no entanto, faz um alerta: “Criamos uma fantasia coletiva de que o melhor jeito de enfrentar pandemias é com tratamento. Isso é insuficiente. O que se deve fazer nesse tipo de situação é evitar que as pessoas fiquem doentes”, disse ele, ao afirmar que, no caso de pandemias, o olhar epidemiológico deve ser priorizado em um primeiro momento, em vez do olhar clínico.

“O Brasil tinha capacidade e inteligência para enfrentar a pandemia, mas não o fez de forma adequada. Quando se tem uma cardiopatia, busca-se um cardiologista. Se o problema está nos olhos, busca-se um oftalmologista. No caso de uma pandemia, é o epidemiologista a pessoa natural para ser ouvida, mas infelizmente não foi o que ocorreu no Brasil”, argumentou.

Para ele, foi um erro adotar inicialmente um olhar clínico, individualizado, em vez de epidemiológico, que é coletivo”, acrescentou.

Varíola dos macaco

A demora do poder público para tomar decisões pode, segundo ele, facilitar o avanço da varíola dos macacos, que já registra quase 900 casos no Brasil. A doença já foi classificada como “muito preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Não tenho dúvida da gravidade. Faço, no entanto, uma ressalva: pelo nosso histórico, temos mais capacidade de saber o que fazer do que tínhamos no começo da covid-19. Mas é algo que deve ser feito rapidamente. Se demorarmos, a coisa pode complicar”, sugere o epidemiologista.

Nesta semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o Brasil “fez o dever de casa” diante do surto de varíola dos macacos desde o início da epidemia. Durante a abertura de um workshop sobre vigilância em saúde promovido pelo ministério, Queiroga disse que o Brasil se preparou para lidar com o vírus, providenciando laboratórios para diagnóstico, identificação dos casos e isolamento dos pacientes.

Conhecimento e infraestrutura

Hallal elogiou a produção de conhecimento desenvolvida no país para lidar com situações de pandemia. “Temos quase 100 projetos de pós-graduação em saúde coletiva, sendo 55 acadêmicos e 41 profissionais”, disse ele, ao destacar o fato de o país ter “uma rede de universidades públicas que concentra mais de 90% da produção científica nacional”.

A fim de manter a qualidade das pesquisas brasileiras, o professor alerta sobre a questão da “fuga de cérebros” que tem se intensificado no meio acadêmico nacional, com “muitos bons alunos deixando o país para desenvolver pesquisas no exterior”.

Na avaliação de Hallal, o país conta com “o maior sistema de saúde pública do mundo” – no caso, o Sistema Único de Saúde (SUS). “Temos também UBSs [unidades básicas de saúde] perto da casa de cada brasileiro e somos referência mundial em vacinação”, argumentou.

Pandemia e questões sociais

Segundo Hallal, o primeiro desafio a ser encarado para evitar que novas pandemias se espalhem pelo território nacional está relacionado à questão da desigualdade social. “O Brasil já foi o segundo ou o terceiro país mais desigual do mundo. Isso está diretamente relacionado ao potencial [de avanço] das pandemias”, disse.

Ainda na abordagem sobre a relação entre questões sociais e pandemia, o epidemiologista lembrou que a covid-19 chegou ao Brasil via aeroportos, trazida por pessoas que fizeram turismo no exterior. “Nos primeiros meses, os 20% mais ricos do país eram os que corriam maior risco. Mas logo em seguida a pandemia passou a matar mais pobres do que ricos. Tivemos então um cenário de desigualdades ainda mais acirradas”, destacou.

Comunicação científica

Hallal, na condição de cientista, fez um mea culpa ao falar sobre as dificuldades do meio acadêmico para falar de forma acessível com os cidadãos. Segundo ele, o uso de linguagem simples sobre estudos científicos evitaria que a população fosse convencida tão facilmente pelas notícias falsas veiculadas na internet.

“Temos de ser menos arrogantes para que a população tenha acesso e entenda o que estamos produzindo. É impressionante a dificuldade que vejo até mesmo em meus doutorandos para explicar, sem linguagem acadêmica, o que estão fazendo. É um exercício muito importante inclusive para falarmos com a mídia”, disse.

A opinião de Hallal foi corroborada pela coordenadora do Laboratório de Gases de Efeito Estufa do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Luciana Gatti, que também estava presente na conferência. “Precisamos socializar o conhecimento e a ciência para evitarmos que terraplanistas e negacionistas ocupem esse espaço”.